P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/ P2S Tecnologia - ERP, Sistema de Gestão, Consultoria, Sistemas Web e Desenvolvimento de Software Fri, 25 Jul 2014 14:00:00 +0000 pt-br dayly 1 Como fazer uma implementação bem sucedida de sistemas ERP nas empresas http://www.p2s.com.br/noticia/como-fazer-uma-implementacao-bem-sucedida-de-sistemas-erp-nas-empresas Fri, 25 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= Para implementar a solução adequada nas empresas é muito importante que a definição do que é um Enterprise Resource Planning (ERP) esteja muito clara na mente do empreendedor. Esse termo é designado a todo sistema integrado de gestão empresarial. São desenvolvidos softwares para atender as necessidades das diferentes áreas de uma empresa e essa ferramenta oferece aos gestores que a utilizam maior controle sobre as operações e planejamentos da instituição.    

 

“Atualmente é cada vez mais essencial na administração das organizações, independente do tamanho ou atuação, o ERP, pois ele agiliza os processos e maximiza os resultados. Posso dizer que entre os principais benefícios estão a ampla visibilidade da empresa, a obtenção de dashboards e relatórios em tempo real, a padronização das informações internas, entre outras. Com isso, o gestor consegue eliminar as falhas na comunicação entre os setores da empresa e ter um melhor relacionamento com os seus clientes”, afirma Julio Sanguini, Gestor Regional.

 

Segundo ele, alguns pontos devem ser avaliados quando a empresa pretende contratar esse tipo de serviço na instituição:

 

Pesquise e selecione as propostas: Coloque na ponta do lápis quais requisitos o ERP precisa ter para atendê-lo. Para ficar ainda mais fácil coloque esses quesitos em ordem de importância, destacando o que é indispensável, quais as funcionalidades que a ferramenta precisa ter sem as quais não funcionaria bem.

 

Implantação do sistema: É imprescindível que nessa hora exista a participação ativa das pessoas que representam a empresa, afinal você conhece e entende o seu negócio, enquanto o fornecedor entende as funcionalidades do sistema, ou seja, precisa existir uma troca para que as duas partes se completem.

 

Suporte: Deve-se pensar que o investimento com o ERP é uma parceria de longo prazo. O sistema deve acompanhar a evolução tecnológica e o crescimento da empresa, para que assim ele atenda as novas demandas. Se não existir isso, em pouco tempo o gestor terá de comprar outro sistema, pois este se tornará obsoleto.

 

Formação: É importante investir no treinamento da ferramenta antes de liberar o acesso para toda a empresa ou para os departamentos determinados.

 

Indicações: Peça a empresa contratante uma ou mais referências de clientes que utilizam o software e que são do mesmo segmento que a sua instituição, assim é possível fazer pesquisas com os representantes dessas empresas e verificar os pontos fortes do ERP, comparando os benefícios com a oferta apresentada pelo vendedor.


Fonte:
 Portal CanalTech Corporate

]]>
Crescimento na área de eventos exige gerenciamento eficaz http://www.p2s.com.br/noticia/crescimento-na-area-de-eventos-exige-gerenciamento-eficaz Thu, 24 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= A tendência da área de eventos é de crescimento. 

 

A necessidade do cliente que solicita algum tipo de serviço para a área de eventos tem se tornado cada vez mais diversificada. Atualmente, diversas empresas têm oferecido vários tipos de serviços para um mesmo evento, como é o caso de empresas de locação que oferecem além de plantas e flores, serviços como decoração, criação de projetos e paisagismo.

 

Nos últimos anos, as análises dos índices de crescimento da área de eventos têm apresentado resultados positivos para o mercado. Eventos como cerimônias de casamento agitam o setor desde sempre, entretanto, de acordo com as Estatísticas do Registro Civil do IBGE; só em 2012 foram realizados mais de um milhão de casamentos no Brasil, e em 2011 o setor de festas e cerimônias de casamento movimentou R$ 13,7 bilhões.

 

As exposições e diversos tipos de cerimônias empresariais e universitárias, também apresentam elevada expansão no Brasil. Cerca de 51% das 330 mil cerimônias e exposições anualmente concentram-se na região Sudeste, sendo São Paulo o estado que mais se destaca, de acordo com um estudo do Sebrae. E para suprir a necessidade dessa demanda, milhares de prestadores de serviço são contratados anualmente.

 

Para gerenciar e coordenar todos os tipos de serviços da área é necessário que a empresa em questão possua recursos para a realização de uma gestão eficiente, uma vez que o atendimento prestado irá influenciar na contratação de novos serviços. Para uma empresa de locação de plantas, que oferece serviço de decoração e paisagismo, administrar a parte de projetos e de locação torna-se uma tarefa difícil se os processos não forem bem gerenciados.

 

Como alternativa, a aquisição e o uso de softwares de gestão pode ser a solução para reduzir eventuais erros e problemas. Sistemas ERP são sistemas que integram as informações da empresa de forma a otimizar a operação dos departamentos, desde a área de prospecção, com o envio de propostas e orçamentos, até as áreas de faturamento e financeiro, em que há a necessidade de realizar pagamentos e controlar recebimentos.

 

Com o crescimento do setor de eventos, prestar um atendimento mais ágil e eficaz que o da concorrência é uma das prioridades para as empresas e o software de gestão tem proporcionado um grande auxílio. Para empresas de locação de plantas que oferecem outros tipos de serviços, o ERP PrimeStart é uma solução ideal para coordenar a gestão empresarial.

 

Com o software, é possível gerenciar o fluxo de entrada e saída dos produtos e equipamentos locados, bem como realizar o controle de estoque. Também é possível dividir os projetos e jobs, alocando determinados colaboradores para a realização dos mesmos. O faturamento também estará vinculado às informações disponibilizadas no software e será possível realizar a emissão de NF-e e ordens de serviço.

 

Quando as necessidades da empresa podem ser sanadas por um único sistema, as vantagens são inúmeras. Dos benefícios proporcionados, constam a redução de custos administrativos, assim como o aumento da eficiência e da produtividade dos departamentos, o que consequentemente se reflete no crescimento da demanda de atendimento e na chegada de novos clientes.

 

Por: Taiane Martins

]]>
ABES remove 28 mil softwares piratas no primeiro semestre http://www.p2s.com.br/noticia/abes-remove-28-mil-softwares-piratas-no-primeiro-semestre Wed, 23 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= A Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) retirou do ar mais de 28 mil itens entre anúncios em sites de leilão, websites e links que davam acesso a downloads ilegais de software no primeiro semestre do ano. A iniciativa faz parte da ação de Monitoramento da Internet, realizada pela associação há dez anos.

 

Nos seis primeiros meses do ano, foram contabilizados 18.297 links removidos, um crescimento de 39,13%, em relação ao ano passado. Em abril, foi registrado o maior volume excluído, mais com de 4,2 mil links. Os sites de leilão ganham projeção, com 9.160 anúncios, um salto de 30,9% em relação ao total eliminado no mesmo período de 2013.

Nesse cenário, novas tecnologias como a computação em nuvem contribuem para redução da pirataria. “A pirataria no Brasil já mudou muito nos últimos anos, na década de 1980 mais de 90% dos softwares eram piratas. Atualmente, os brasileiros estão mais conscientes sobre os riscos de usar programas ilegais. Esse fato aliado a novas opções de licenciamento, como o serviço de software como serviço, tem contribuído para reduzir esse índice cada vez mais”, destaca o presidente da ABES, Jorge Sukarie.

 

Fonte: IT FORUM 365

]]>
E-commerce cresce 250% em cinco anos no Brasil http://www.p2s.com.br/noticia/e-commerce-cresce-250-em-cinco-anos-no-brasil Tue, 22 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= O valor do e-commerce brasileiro saltou de R$ 14,8 bilhões em 2008 para R$ 51 bilhões em 2013, um aumento de quase 250% em cinco anos. Os bons ventos não devem parar de soprar na direção desse setor, segundo relatório recém-lançado pela Mintel. A previsão é de que, entre 2013 e 2018, o crescimento seja de 130%, levando o valor a ultrapassar a barreira dos R$ 100 bilhões em 2017 e chegar a R$ 115 bilhões daqui a quatro anos.

 

Ainda segundo o estudo, 67% dos consumidores brasileiros não compraram nenhum produto online nos últimos 12 meses e 9% adquiriram somente um item via internet no mesmo período. O cenário demonstra o baixo índice de saturação e o forte potencial do setor, que foi impulsionado, nos últimos anos, pela melhoria de acesso à internet e pelo crescimento econômico no país. A flexibilidade de pagamento, a intensa atividade em redes sociais e a forte cultura de consumo também ajudam a impulsionar essa área no Brasil.

 

Dos 12 produtos e serviços analisados na pesquisa da Mintel, a maior penetração ficou por conta do setor de hotel e passagens de viagem, com 14% dos consumidores afirmando que adquiriram esses itens nos últimos 12 meses. Na outra ponta da escala, apenas 3% dos clientes mencionam que fizeram compra online de comida e bebida no mesmo período. Já os produtos elétricos, como TVs, computadores e telefones celulares, também aparecem no topo da lista: 13% dos consumidores afirmam que adquiriram um eletroeletrônico nos últimos 12 meses. Ao mesmo tempo, 11% dos consumidores compraram itens de vestuário e calçado.

 

O segmento de hotéis e passagens passou de um valor de mercado de R$ 20,7 bilhões em 2012 para R$ 25,2 bilhões em 2013, consagrando-se como o maior no mercado de e-commerce. Por outro lado, as vendas de alimentos e bebidas continuam baixas. Elas representavam menos de R$ 100 milhões em 2012 e mantiveram-se no mesmo patamar em 2013. O melhor ou pior desempenho está relacionado à importância do contato físico para checagem da qualidade do produto vendido.

 

Segurança
Já em relação ao pagamento, a maioria dos brasileiros não se preocupa com a autenticação da compra online. Há, entretanto, uma exceção. Um em cada quatro consumidores cita preferir não fazer compras nos websites de comerciantes que solicitam o número de CPF. A preocupação maior dos brasileiros com relação à segurança são os golpes online.

 

Entre os entrevistados, 30% afirmam que estão preocupados com fraudes (por exemplo, phishing) quando fazem compras virtuais, tornando-se a maior pontuação entre todas as declarações sobre questão relacionadas aos fornecedores. Também há receio de que os itens comprados não sejam originais, questão citada por 22% dos entrevistados. Outra preocupação é a demora da entrega do produto, apontada por 19% deles. Apenas 3% dizem que preferem fazer compras online porque é mais seguro do que ir às lojas pessoalmente.

 

As redes sociais, sim, são um canal que impulsiona as vendas do e-commerce. O consumidor brasileiro tem alto grau de envolvimento com esses sites. De acordo com o estudo, 17% dos brasileiros mencionam que visitam portais de varejistas motivados por anúncios no Facebook, tendência mais forte entre os clientes jovens. Quase três em cada 10 pessoas, 28%, entre 16 e 24 anos, disseram fazer isso. Por contraste, somente 4% dos consumidores acima de 55 anos têm esse hábito.

 

Fonte: Portal Paraíba

]]>
Confira as respostas para algumas das dúvidas mais comuns quando falamos em ERP http://www.p2s.com.br/noticia/confira-as-respostas-para-algumas-das-duvidas-mais-comuns-quando-falamos-em-erp Mon, 21 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= Se você ocupa um cargo gerencial em uma empresa ou é dono do seu próprio negócio, já deve ter ouvido falar de ERP. Mas você sabe o que significa esse termo ou como funciona um sistema de ERP? 

 

 1. Por que ERP é também conhecido como “Sistema de Gestão Empresarial”?

Um sistema de gestão empresarial, seguindo a interpretação ao pé da letra, é um sistema de informática responsável em gerir a empresa, ou seja, a gestão empresarial. Com base em regras de negócios, definições de controle, alçadas de aprovação e registro de movimentações financeiras entre outras funcionalidades. 

 

 2. Qual a diferença entre ERP e “Sistema Integrado”?

No passado recente cada departamento da empresa tinha um sistema de informática à parte, isolados dos demais, por isso uma das primeiras atribuições do ERP seria “integrar” processos, por isso o termo “Sistema Integrado”.

Com os avanços tecnológicos, o ERP recebeu mais inovações, onde apenas integrar processos não atendia mais as necessidades das empresas e sim, traduzir os dados registrados em informações relevantes. 

 

 3. O que se entende por ERP Padrão?

Deve ser entendido como ERP Padrão, ou as funcionalidades e processos dentro do ERP, como Padrões, quando que se assume que as regras de negócios e processos foram desenvolvidas atendendo as melhores práticas de mercado e que por isso, atendem determinado segmento de negócio, independente da empresa, sem ser necessárias customizações pela empresa, alterando assim o código-fonte do ERP, e sim parametrizações a fim de atender os dados da empresa em especial.

 

 4. Qual a diferença entre Configuração e Customização?

Configurar ou Parametrizar um ERP é quando as regras e processos são ajustados para atender a necessidade da empresa, este processo ou regra já existe dentro do ERP, atendendo assim melhores práticas de gestão.

Customização ou Personalização do ERP é quando é necessário criar novas regras de negócios ou processos dentro do ERP, pois não existem, para atender um processo ou regra de negócio específico e particular da empresa. 

 

 

Fonte: Portal ERP

]]>
O fusca e o software de gestão empresarial http://www.p2s.com.br/noticia/o-fusca-e-o-software-de-gestao-empresarial Fri, 18 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= As empresas precisam estar atentas à grande transformação que os softwares de gestão empresarial trazem para suas organizações. E auxiliar seus colaboradores nas transformações que esta tecnologia provocam, para que todos tenham sucesso e evitem os maiores problemas que têm ocorrido na gestão destes projetos.

 

Não se pode demorar muito para ler este artigo, caso contrário, muitos jovens logo logo, podem não saber o que é um fusca, como eu e você o conhecemos. Isto mesmo, um fusca, aquele antigão, 1200, 1300, 1500 e depois o 1600cc dois carburadores. E até o fuscão preto do cantor Almir Rogério, que nos 80 do século passado, ou melhor do milênio passado, fez muito sucesso.

 

Acredito que muitos que estão lendo este texto, já teve um fusca, o pai teve um fusca, ou o vizinho teve um fusca, ou quem sabe você ainda tem um fusca. O fusca foi e ainda é um bom carro como condução para várias pessoas, raramente dava problemas, cabia cinco pessoas, mas em famílias grandes como a minha, levava oito e para a época, era bonito. Ainda acho ele bonito.

 

Você ia bem de uma cidade a outra com ele, as estradas não ajudavam, mas ia se da mesma forma que se ia com outros carros como o Chevrolet Opala Comodoro, o CHEVETTE, o Ford Del Rei e outros mais evoluídos da época. Você chegava da mesma forma, ou seja, como condução tanto um carro moderno de hoje como o fusca do milênio passado, levava ao lugar desejado. Então, acredito que você concorda comigo que o fusca cumpriu seu papel perfeitamente como condução, dentre outros importantes transformações que ele provocou.

 

Mas agora, precisamos de outros veículos como condução, nem que seja o novo fusca, o Beetle. E assim também foram os primeiros sistemas e softwares que as nossas empresas utilizaram. Eles conduziram as empresas ao destino desejado. Mas agora precisamos de novos softwares que conduzam as empresas aos seus novos destinos. Que são outros, mais distantes, precisam ser mais rápidos e com mais segurança. Daí a necessidade de sua empresa implantar um software de gestão empresarial integrado, um ERP (Enterprise Resource Planning ou Planejamento de Recursos Empresariais).

 

Os primeiros softwares implantados em nossas empresas, funcionaram muito bem e trouxeram grandes resultados. Isto, porque eram pontuais, feitos para resolver problemas específicos da produção, do financeiro, do RH, da contabilidade, do crediário e outros nichos, sempre num contexto limitado e controlado. Trouxeram alívio às cargas de trabalhos enormes das pessoas, que naquela época ainda eram chamados de 'funcionários'.

 

E era fácil ver que realmente reduziam mão de obra. Gerando inclusive a fama de que os computadores provocaram demissões nas instituições onde estavam sendo implantados. E isto ocorreu, justamente porque eles mecanizaram estas atividades e substituíram muita gente em processos manuais. O que acredito que foi verdade, haja visto a quantidade de funções e cargos que foram suprimidos com o advento da informatização.

 

Entretanto, isto passou, teve seu auge e já estamos na segunda década da fase seguinte: A fase de integração dos departamentos, a união destas tarefas que eram realizadas de forma pontuais e mecanizadas, agora necessitam ser automatizadas de forma integrada. Parece algo simples e fácil de resolver como no princípio, mas não se iluda: não é fácil!

 

Diferentemente da época da mecanização, a qual apenas sobrava a mão de obra que fazia o trabalho repetitivo, a automatização exige que os colaboradores façam suas atividades de formas diferentes e assumam responsabilidades que antes não eram suas. E o mais doloroso para nós como pessoas, é transferir o que fazemos bem, para outras pessoas da empresa, fazerem. Temos a sensação de perda de controle, de perda de poder, de se tornar dispensável. E é exatamente ai que os maiores projetos de ERP tem fracassado, os gestores estão subestimando este item e o preço tem sido alto.

 

No livro "Conhecimento e Transdisciplinaridade" de Ivan Domingues (UFMG), podemos ver como o mundo caminha, mesmo que sem plena noção disto, para a unificação do conhecimento. A forma como hoje percebemos as disciplinas como a matemática, a medicina, a física, a filosofia e todas as outras áreas de estudos e especialização, estão se unindo. É comum ver médicos especialistas, se juntarem a engenheiros da área da eletrônica, mecânica e robótica para produzir equipamentos médicos; do qual depende de conhecimentos que vão além de uma determinada área do conhecimento.

 

E assim também, nossas empresas que produzem e vendem para todo tipo de mercado, estão se tornando transdisciplinares; caso queiram ou não, concordem ou não. Com isto, integração dos departamentos e coesão entre eles são as forças mais importante que atuam para o sucesso das organizações em todo mundo. E junto com integração, precisa vir a unicidade, a confiabilidade, a segurança de acesso e a correta disponibilidade de dados e informações. Eliminando completamente a redundância de dados, de atividades, esforços e utilização de recursos escassos. Principalmente o recurso mais escasso e necessário nas nossas empresas: a mão de obra treinada e motivada.

 

Então o recado é simples; quando você implanta um ERP de verdade em sua empresa, você está promovendo a transformação do seu negócio, está tornando-o transdisciplinar. Está buscando obter mais com os exatos recursos que utiliza até então. Trocando em miúdos, está otimizando seu negócio e o incorporando ao mundo globalizado: perpetuando seu negócio.

 

Entendeu? Agora então podemos voltar ao fusca: Na hora de selecionar um novo software de gestão empresarial, mais que etiqueta e marca do fornecedor, ou quantos 'mils' clientes ele têm, preocupe-se em ter a certeza que este novo ERP, fará com que os departamentos de sua empresa estarão integrados. E que a transição do seu modelo departamental para uma empresa integrada, será o menos traumático possível. Assim você conseguirá fazer com sua equipe não boicote a implantação do ERP. E não duvide: isto acontece muito mais que os gestores pensam!

 

As pessoas, nós, fazemos isto! Como eu e você fazemos em tudo na vida. Se temos medo e não sabemos para onde estamos indo e o que acontecerá conosco; melhor forçar para ficar como está até quando der. Funciona assim com qualquer pessoa, por mais moderna que sua organização seja. Não caia em filosofia barata, pessoas são nossos maiores ativos, precisam ser respeitada sempre e isto nunca irá mudar, independente de qualquer tecnologia que surgir.

 

Última dica que funciona: Antes de contratar o novo software de gestão, o ERP, ou se já contratou recentemente, ou pior ainda, está tendo problemas com a implantação do ERP; reúna formalmente e fale com toda sua equipe, sobre estas transformações que sua empresa precisa e que é inevitável para sua sobrevivência. Diga as pessoas o que ocorrerá e se envolva no projeto de implantação. Não delegue seu negócio, ao gerente de T.I., auxilie-o com sua autoridade e visão clara de onde quer chegar. Esta função é só sua, como principal executivo de sua companhia. Chamamos isto de 'endomarketing' para implantação do ERP, mas use um nome mais simples, fale de forma simples e você terá resultados surpreendentes.

 

Pense nisto, aja rápido. Assim você estará trocando sem trauma, seu fusca que tanto lhe serviu até agora, por um novo carro mais potente, mais seguro e mais confortável!

 

Fonte: Administradores

]]>
Estudo do Seade analisa o setor paulista de software e serviços http://www.p2s.com.br/noticia/estudo-do-seade-analisa-o-setor-paulista-de-software-e-servicos Thu, 17 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= Estudo da Fundação Seade, publicado no boletim Primeira Análise nº 14, identifica, no Estado de São Paulo, os principais polos e municípios onde é relevante a presença do setor de software e serviços de tecnologia da informação e telecomunicações, bem como as especificidades dos segmentos em cada um deles. São apresentadas, também, as características da mão de obra neste setor, com perfil de escolaridade e aspectos relacionados às principais ocupações, além de cursos de ensino superior a elas associados.
 
Nos últimos anos, o setor de serviços de tecnologia da informação e comunicações, no Brasil, tem crescido a um ritmo muito superior ao do Produto Interno Bruto – PIB do país. Em 2013, por exemplo, enquanto o PIB nacional aumentou a uma taxa de 2,3%, o setor avançou 5,3%. Nesse cenário, o Estado de São Paulo destaca-se como o mais importante polo nacional do setor.
 
De acordo com os dados, a análise da evolução do setor, entre 2008 e 2012, mostra que se intensificou, na capital, a concentração de algumas atividades selecionadas, em um aparente movimento de especialização. Os dois segmentos que tiveram crescimento mais expressivo na participação do total dos empregos, nesse período, foram: desenvolvimento de programas de computador sob encomenda, que passou de 46,6% para 62,1%; e consultoria em tecnologia da informação, que aumentou de 44,8% para 54,6%. Em relação ao número de empresas, enquanto o primeiro segmento manteve-se estável, o segundo ampliou sua participação de 50,2% para 57,9%.
 
O papel de polo hegemônico exercido pela cidade de São Paulo explica-se, em parte, pela oferta no município de todos os serviços necessários para o funcionamento das empresas, com larga e diversificada rede de suporte à concepção, comercialização, promoção e distribuição de produtos. Mas sua centralidade pode ser justificada, também, pela presença de uma série de vantagens competitivas que a RMSP oferece: moderna infraestrutura de transportes, telecomunicações e tecnologia da informação; mão de obra qualificada; desenvolvido setor de serviços às empresas; e proximidade de grandes mercados consumidores. Somam-se a isso uma ampla rede de escolas profissionalizantes e diversas instituições de ensino superior, algumas com reconhecimento internacional, além de muitos centros de pesquisa e laboratórios com produção em várias áreas do conhecimento.
 
Empresas de Software
 
Dentro do setor, o subgrupo de software apresentava, no Estado de São Paulo, uma distribuição espacialmente localizada e respondia, em 2012, por 40% do total dos empregos do segmento no Estado. O município de São Paulo destacava-se como seu principal polo, com 46% das pessoas ocupadas nesta atividade. Essa expressiva participação concentrava-se nas atividades de desenvolvimento de programas de computador sob encomenda e consultoria em tecnologia da informação, que agregavam, em conjunto, por 65,7 mil empregos, 31% do setor de software e serviços de tecnologia da informação e telecomunicações. A importância do polo de software paulistano também pode ser aferida pelo porte de suas empresas: das 25 empresas com mais de 500 pessoas ocupadas localizadas no Estado, 19 estavam na cidade de São Paulo.
 
Os destaques no Interior de São Paulo
 
O subgrupo de software também sobressai em outras localidades do Estado. A RM de Campinas é reconhecida no cenário nacional como um importante polo de tecnologia, perdendo em importância apenas para a RMSP. A análise dos empregos gerados no segmento de software na RM de Campinas, entre 2008 e 2012, mostra a consolidação dessa região como centro de desenvolvimento de programas de computador sob encomenda e desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis. As empresas de grande porte especializadas no desenvolvimento de programas de computador sob encomenda, instaladas em Jaguariúna e Americana, somadas àquelas localizadas no município de Campinas, formam o segundo maior contingente de pessoas ocupadas nessa atividade no Estado de São Paulo.
 
São José dos Campos e Ribeirão Preto destacaram-se, entre 2008 e 2012, como potenciais polos de tecnologia da informação em um horizonte próximo. Nesse período, a participação das atividades de desenvolvimento de programas de computador sob encomenda e desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis no total do município de São José dos Campos, aumentou, respectivamente, de 7,8% para 17,2% e de 4,4% para 10,0%. Em termos absolutos, esses empregos ampliaram-se de 145 para 804. Já em Ribeirão Preto, no mesmo período, a participação das atividades de desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis cresceu de 15,3% para 35,4% do total desses empregos no município, passando de 126 para 808 pessoas ocupadas.
 
Elevado nível de instrução dos trabalhadores
 
Pelo estudo, as empresas do setor de software e serviços de tecnologia da informação e telecomunicações destacam-se pelo elevado nível de instrução de seus trabalhadores. Em 2012, enquanto graduados e pós-graduados representavam 18,8% do total dos empregos no Estado de São Paulo, no setor essa presença chegou a 47,4%. Os segmentos com maior participação de trabalhadores com esse perfil na relação com o total dos empregos nos municípios selecionados foram os de consultoria em tecnologia da informação (68,9%), telecomunicações por fio (68,3%) e desenvolvimento de programas de computador sob encomenda (61,1%).
 
Setor público gera mais oportunidades de emprego 
 
Vale ressaltar que, entre 2008 e 2012, a taxa de crescimento das vagas ofertadas nos cursos selecionados foi bem superior nas instituições públicas (93,6%) do que nas privadas (32,2%). Embora a oferta de vagas nos cursos selecionados tenha tido elevação maior nas instituições públicas federais no Estado de São Paulo, este avanço foi concentrado, principalmente, no aumento de vagas no curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas.  Já na rede pública estadual, também com importante taxa de crescimento na oferta de vagas, além do avanço no curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, houve ainda crescimento da oferta do curso de Ciência da Computação. Além disso, houve a criação de novos cursos voltados para o setor: Administração de Redes, Bancos de Dados, Engenharia de Computação, Tecnologia em Desenvolvimento de Softwares e Uso da Internet. Clique aqui para acessar o estudo.

 

Fonte: Portal ABES

]]>
Por que usar um software de gestão empresarial melhora o desempenho dos seus funcionários? http://www.p2s.com.br/noticia/por-que-usar-um-software-de-gestao-empresarial-melhora-o-desempenho-dos-seus-funcionarios Wed, 16 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= Uma empresa, para desenvolver um bom trabalho, precisa funcionar como uma máquina cujas engrenagens trabalham juntas para realizar o trabalho final. É necessário achar formas de obter máxima produtividade sem perder a qualidade e consistência, seja nos processos, seja nas relações entre departamentos ou com os fornecedores. Para isso, a palavra de ordem é uma: integrar.

 

Os sistemas integrados de gestão empresarial, ou ERP, são formas inteligentes e customizáveis de administrar o seu negócio, independentemente do tamanho, oferecendo soluções que facilitam a sua rotina e a de seus funcionários. Mas como isso ocorre? Quais as vantagens trazidas pelos sistemas ERP que justificam seu uso? Confira a seguir:

 

Integração e automatização dos processos: menores chances de erros

Uma cadeia de processos não é coisa mais simples de ser monitorada. Quando falamos em empresas em crescimento, é preciso ter em mente que cada funcionário, cada departamento, é essencial para o sucesso, portanto as atividades devem ser visualizadas e complementares no processo de trabalho. Nesse sentido, os ERPs são de grande ajuda uma vez que permitem a integração e automatização de muitos processos.

 

Com um ERP há considerável diminuição de margens de erro e melhor aplicação de seus recursos humanos. Afinal, com o tempo que antes seria perdido nos processos de inserção de dados e conferência de informações, por exemplo será possível a criação e desenvolvimento de projetos que permitam o crescimento da empresa, antes engavetados por falta de pessoal e tempo. Além de minimizar erros por permitir uma comunicação integrada e a atualização em tempo real, um ERP é capaz de possibilitar a melhora na rotina de todos.

 

Informações bem guardadas: nada de retrabalhos

Sistemas funcionam com backups, ou seja, formas de guardar as informações para o caso de problemas. Se antes era possível contar apenas com as gravações em mídias e HDs externos, hoje é possível manter um sistema online a prova de quedas de energia, imprevistos, acidentes e perda de equipamento local.

 

Imagine se em uma tempestade, cai um raio na empresa e todos os computadores queimam? Com um ERP online, todas as informações, registros, análises e itens importantes do negócio estão a salvo. Mesmo que falte luz ou que a máquina pare de funcionar, não haverá perdas das informações no sistema nem retrabalhos por parte dos funcionários. Assim, sua equipe se empenha no que é necessário construir, não no ato de refazer.

 

Acompanhamento da equipe: verifique o cumprimento das metas

É difícil se manter atualizado com as metas de cada equipe e funcionário, fato que consume tempo e esforços em constantes reuniões. O ERP permite a emissão de relatórios, que possibilitam a avaliação de cada funcionário e comparação, seja entre equipe ou períodos de tempo distintos. Assim, é possível verificar com maior rapidez quais os recursos humanos que precisam de atenção especial e até mesmo indicar quem pode ser promovido ou realocado, para ter melhor aproveitamento.

 

Integração de setores em uma mesma plataforma: equipe unida e forte

Antigamente cada setor era seu próprio universo e a comunicação entre diferentes equipes era escassa ou nula. Sem se falar, um não sabia direito as necessidades do outro e não discutiam, juntos, formas de melhorar os processos internos.

 

O ERP funciona como uma ferramenta que pode ser a sua vantagem competitiva, integrando setores, como a administração, finanças, emissão de NF-e, comercial e outros, permitindo um acesso imediato das informações e respostas rápidas e certeiras diante das situações.

 

Oferecer aos funcionários formas de otimizar a rotina, com certeza, se reflete no desempenho. Afinal, quem não perde tempo com processos desnecessários ganha oportunidades de produzir mais e melhor!

 

Fonte: Blog

]]>
5 lições que os varejistas podem aprender com a Copa do Mundo http://www.p2s.com.br/noticia/5-licoes-que-os-varejistas-podem-aprender-com-a-copa-do-mundo Tue, 15 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= Com o encerramento da Copa do Mundo, vencedores e perdedores, sem dúvida, começam a analisar seu desempenho ao longo das últimas semanas e a examinar o que poderiam ter feito diferente. Quer se trate de tentar uma formação diferente em campo ou alterar o regime de treinamento, mudanças como estas têm o poder de fazer uma grande diferença para resultado final de uma equipe. Embora as regras do jogo possam ser bem diferentes, e o impacto esteja em produtos vendidos em vez de gols, muitas dessas lições podem também ser aplicadas no ramo do varejo.

 

Abaixo estão cinco lições que os varejistas podem tirar da Copa do Mundo:

 

1. Espere o inesperado

Um evento como a Copa do Mundo requer uma preparação enorme, com a pressão adicional de ter todos os seus movimentos monitorados pelo mundo inteiro. Desde que o Brasil foi nomeado país anfitrião em 2007, o trabalho foi praticamente ininterrupto para construir estádios, melhorar a malha de transportes, implantar novos hotéis, etc. Embora tenha havido desafios ao longo do caminho, como o início da recessão global em 2008, esta preparação e capacidade de reagir à mudança inesperada valeu a pena.

Para os varejistas, essa preparação assídua faz diariamente parte dos negócios. Apesar dos melhores planos muitas vezes darem errado, é como você responde ao inesperado que determina se você será bem sucedido. Basta considerar o jogo Uruguai x Itália, quando ninguém poderia ter previsto que Luis Suarez iria morder outro jogador.

 

2. Construa a equipe certa

Escolher quem estará na equipe que vai representar o seu país não é uma decisão fácil e muitas vezes a escolha certa pode não ser a que mais agrada. Felizmente, para treinadores de futebol, as mudanças podem ser feitas a qualquer momento na forma de substituições. Basta mudar um jogador para transformar a dinâmica do time em um instante. Um exemplo é a equipe do México, que ao enfrentar a Holanda foi eliminada da competição por um chute de pênalti de Klaas-Jan Huntelaar durante os acréscimos. Para os varejistas, ter a combinação certa de pessoas na equipe é essencial. As pessoas são a força vital das empresas, então esteja certo que você tem a equipe certa situada e ofereça treinamento quando houver algumas lacunas de competências ou quando novas oportunidades surgirem. Isso pode fazer uma enorme diferença para o desempenho de um varejista.

 

3. Compita com confiança

Em seu primeiro jogo no Brasil, a Holanda enfrentou a Espanha, a vencedora da Copa do Mundo de 2010. Para qualquer equipe isso seria intimidante, no entanto, a Holanda não se deixou intimidar. Eles permaneceram calmos e concentrados, e acima de tudo, confiantes na sua capacidade e, finalmente, venceram a partida por 5 x 1. Em qualquer negócio pode ser tentador conceder a derrota quando se tem pela frente um desafio muito difícil. No entanto, varejistas podem garantir seu espaço se estiverem confiantes do serviço que oferecem e focarem seus esforços nas áreas onde possuem vantagens sobre os concorrentes.

 

4. Sustente um negócio ativo

O trabalho dos jogadores pode fazer um bom time ou acabar com uma equipe.  Se os jogadores não forem ágeis com os pés, os oponentes podem ultrapassá-los e roubar a bola com facilidade, como aconteceu com a Alemanha quando a Argélia lançou uma série de rápidos contra-ataques durante a partida em Porto Alegre. No atual ritmo acelerado do varejo isso também acontece. Se as empresas não se adaptarem rapidamente às mudanças das condições de mercado ou ao comportamento do consumidor, elas correm o risco de serem excluídas por competidores capazes de explorar as oportunidades emergentes com mais rapidez. Para evitar serem deixados para trás e perderem a sua quota de mercado, os varejistas devem abraçar as mudanças e acompanhar de perto as mudanças no mercado e exigências dos consumidores, além de experimentar novos serviços e modelos de negócios.

 

5. Planeje condições atípicas

Do clima quente e úmido de Manaus e Natal ao escaldante calor e tempo seco de Cuiabá, e o clima relativamente frio de Porto Alegre, as equipes enfrentaram muitas variações ao longo da Copa do Mundo. EUA e Alemanha ainda tiveram de lidar com inundações após Recife ser atingida por uma chuva torrencial. Para muitos times, as condições no Brasil estavam completamente em desacordo com o que eles estão acostumados em seu país de origem. Os varejistas também enfrentam diferentes condições ao entrar em novos mercados. Por exemplo, o uso da internet e absorção de compras online diferem muito de mercado para mercado, enquanto as diferenças culturais e jurídicas podem ditar o que é esperado dos varejistas. Prospectar negócios como de costume não é uma opção, por isso antes de entrar em um novo território os varejistas devem avaliar como as condições de mercado podem ser diferentes e ter uma carta na manga para lidar com a questão.

 

Fonte: Portal E-commerce News

]]>
Estudo analisa setor paulista de software de serviços de Tecnologia da Informação e Telecomunicações http://www.p2s.com.br/noticia/estudo-analisa-setor-paulista-de-software-de-servicos-de-tecnologia-da-informacao-e-telecomunicacoes Mon, 14 Jul 2014 14:00:00 +0000 P2S Tecnologia http://www.p2s.com.br/rss.php?p= A Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), vinculada à Secretaria Estadual de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, concluiu estudo que identifica os principais polos e municípios paulistas nos setores de software e serviços de tecnologia da informação e telecomunicações.

 

São apresentadas, também, as características da mão de obra do setor, com perfil de escolaridade e aspectos relacionados às principais ocupações. O estudo apurou que o segmento, formado por empresas de micro e pequeno porte, empregava 249 mil pessoas em 2012, distribuídas em 9.500 empresas no estado.

 

Entre 2008 e 2012, intensificou-se na capital a concentração de algumas atividades especializadas. Nesse período, os dois segmentos que tiveram crescimento mais expressivo na participação do total dos empregos foram os de desenvolvimento de programas de computador sob encomenda, que passou de 46,6% para 62,1%, e o de consultoria em tecnologia da informação, que aumentou de 44,8% para 54,6%.

 

O município de São Paulo se destacou como principal polo no subgrupo de software, com 46% das pessoas ocupadas na atividade. Das 25 empresas com mais de 500 pessoas ocupadas localizadas no estado, 19 estavam na capital.

 

O subgrupo também tem destaque em outros municípios paulistas. A análise dos empregos gerados no segmento de software entre 2008 e 2012 mostrou a consolidação da região metropolitana de Campinas como centro de desenvolvimento de programas de computador sob encomenda e desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis.

 

As empresas de grande porte especializadas no desenvolvimento de programas de computador sob encomenda instaladas em Jaguariúna e Americana, somadas às de Campinas, formam o segundo maior contingente de pessoas ocupadas na atividade no estado.

 

Já São José dos Campos e Ribeirão Preto destacaram-se no período como potenciais polos de tecnologia da informação. Entre 2008 e 2012, a participação das atividades de desenvolvimento de programas de computador sob encomenda em São José dos Campos aumentou de 7,8% para 17,2%, e o desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis cresceu de 4,4% para 10,0%. Em termos absolutos, esses empregos ampliaram-se de 145 para 804.

 

Em Ribeirão Preto, no mesmo período, a participação das atividades de desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis cresceu de 15,3% para 35,4%, passando de 126 para 808 pessoas ocupadas.

 

O estudo identificou, ainda, que as empresas do setor de software e serviços de tecnologia da informação e telecomunicações têm trabalhadores com elevado nível de instrução. Em 2012, enquanto graduados e pós-graduados representavam 18,8% do total de empregos no estado de São Paulo, no setor essa presença chegou a 47,4%.

 

Os dados completos da primeira análise do estudo podem ser acessados em: www.seade.gov.br/produtos-seade/primeira-analise.

 

 

Fonte: INFO

]]>